início a clí­nica atendimento localização fale conosco
Dentista Esteticista Ginecologista
Perfil Orientações
Área de Atuação
 Pacientes Especiais
 Odontopediatria
 Clareamento
 Endodontia
 Dentística
 Estética
 Prótese
 Ortodontia (aparelho)
 Terapia a Laser
 Periodontia
 Cirurgia
 Implantes
 Orientações - Troca de restaurações Voltar


  • Vale à pena trocar as restaurações metálicas (de amálgama) por restaurações em resina (material da mesma cor do dente) ?
    Existem dois motivos para fazer a troca das restaurações: por problemas estéticos; ou por problemas de saúde do dente, quando a restauração encontra-se fraturada ou com infiltração de cárie. No caso referente à saúde, a troca da restauração é imprescindível, e então pode ser substituída pela resina. No caso referente à estética, a troca não é imprescindível, mas pode ser realizada sem proporcionar nenhum dano ao dente.



 
Restauração em amálgama Troca das restaurações por resina
Restauração em amálgama Troca das restaurações por resina


  • Mas a resina é um material adequado para ser usado nos dentes posteriores?
    Atualmente sim. Quando surgiram as resinas, elas eram materiais sem muita resistência mecânica e por isso não eram adequadas para suportar a grande carga mastigatória que incide nos dentes posteriores. Atualmente a resistência mecânica das resinas é excelente e ainda apresentam a vantagem de serem adesivas (colam no dente) o que diminui a probabilidade do dente fraturar, em relação ao uso do amálgana (metálico) que não é adesivo.

  • Na troca da restauração de amálgama é necessário desgastar mais o dente?
    Não.O amálgana é removido à partir do desgaste da restauração e não do dente. Divide-se a restauração de amálgama em porções menores e ela solta-se em blocos, sem haver necessidade alguma de desgastar o dente. A não ser que haja cárie sob a restauração, nesse caso o tecido cariado deve ser removido totalmente.

  • As restaurações de amálgama são realmente tóxicas e devem ser trocadas?
    Existe muita discussão sobre o poder tóxico do mercúrio contido nas restaurações de amálgama. Trabalhos mostraram que o aumento dos níveis de mercúrio na urina e no sangue pode estar associado à presença de restaurações em amálgama, mas nunca provou-se o desenvolvimento de doença sistêmica devido ao amálgana.

  • Uma restauração em resina tem a mesma durabilidade de uma restauração em amálgama? Não. Isso ocorre porque quando aplica-se a luz para a resina endurecer ela contrai, e essa contração faz com que ela possa sofrer infiltração mais rapidamente do que o amálgama. Uma restauração em resina realizada em técnica adequada tende a durar em torno de 8 anos, já o amálgama, também realizado de forma adequada e com correta indicação pode durar até 15 anos. Entretanto, o amálgana mal indicado pode proporcionar fratura do dente.

  • Como é feita a manutenção das restaurações de resina?
    A manutenção de qualquer tipo de restauração é realizada com higienização adequada e visitas periódicas ao dentista para avaliar a condição das restaurações. Existe uma vantagem na manutenção da resina que é o fato de que esta pode ser reparada sem que haja necessidade de remover toda a restauração. Já o amálgama, se necessitar de reparo, toda a restauração tem que ser removida e trocada, mesmo que ainda esteja em boas condições.

  • E as restaurações em porcelana?
    Essas restaurações são feitas de maneira diferente das restaurações de amálgama e resina, que são realizadas em uma sessão diretamente na boca do paciente. As restaurações de porcelana são chamadas de indiretas pois não são realizadas diretamente na boca do paciente. O dentista prepara o dente para receber a restauração, faz um molde e a partir deste um modelo em gesso. Nesse modelo o protético faz a restauração em porcelana que será cimentada no dente em uma próxima sessão. Entre as sessões usa-se um provisório para proteger o dente. Essas restaurações têm estética, durabilidade e resistência mecânica melhor do que as em resina ou em amálgama, mas também apresentam algumas desvantagens e contra indicações: são mais caras, necessitam de mais de uma sessão, não são usadas em restaurações pequenas nem em pacientes que rangem os dentes, e às vezes necessitam de maior desgaste do dente, já que este tem que ser preparado para receber a restauração indireta. Quando a perda dentária é grande, as restaurações indiretas em porcelana são indicadas pois além de serem estéticas e terem excelente resistência, elas protegem o remanescente dental.



www.clinicacalovini.com.br
Copyright © 2007 Calovini Todos os direitos reservados.